12 de dezembro de 2013

Lobato's Home-bred

Uma dificuldade...
Procurando sobre referências ao Natal, escritas por Monteiro Lobato, me deparei com um 'problema", um verdadeiro processo de Psicologia Cognitiva ou Filosofia de Vida.
Um Abacaxi, um Pepino, um Quebra-Cabeças.
Mas como disse Isaac Asimov: "Se o conhecimento traz problemas, não é a ignorância que os resolve."
Lobato era ateu, mas acreditava como todo bom filósofo que Vida é O "Fenômeno que anima a Matéria"
Mostrou através de sua obra que o "Sagrado" pode surgir de mãos "Profanas" que o experiência educa e se transforma com o novo e aprende com o inusitado.
Eu gostaria de acreditar que Tradição ou Tradições são todas manifestações culturais e não é como No Direito Civil, que afirma que o termo "Tradição" é uma relação de compra e venda, onde o devedor, passa a ser credor do vendedor do  produto/mercadoria/serviço pelo qual pagou, então ocorre a tradição - entrega do produto. Uma Roda de Samsara que não exite no mundo natural, onde a "mercadoria" ou seja, o fruto do "trabalho" é negociado pelo fruto de outro trabalho, ou talvez apenas gratidão, por que a Natureza agradece sempre da forma como é tocada.
Sei que Lobato era um empreendedor, vendedor de Sonhos e Utopias. 
Sei também que era um visionário que não media consequências para provar suas teorias e desvairios,  aos que, a Emília certamente denominaria de "Doidices".
Tia Anastácia, "que trepou igual a uma macaca de carvão" segundo Lobato, criou vida através de mãos negras. De mãos que por alguns não eram consideradas humanas... E realmente, mãos humanas só trazem à vida seres gerados em útero ou em laboratórios
No máximo poderíamos dizer que era darwariano, nunca racista ou amante de alguma seita ou organização.
Mãos cobertas por pele negra que criaram vida, através de uma REALIDADE fantástica e aterradora. Aterradora de criar raízes, de partilhar a austeridade e a irreverência! De complementar conceitos divergentes de forma lúdica e deliciosa.
Eu??... Eu brigo com as palavras... 
Dizem que palavras tem poder! Nós estamos além do poder, pois somos nós que damos sentidos às palavras. Elas são o que nós entendemos. Se têm poder, nós é que conferimos à elas...
Podem ser agressivas o doces... Nossos ouvidos ou boca é que transformarão palavras em ações antes mesmo de braços ou pernas.
Estou adotando alguém ... alguém com 35 anos.
O coração está demandando ao cérebro para formalizar.
Não abrigar ou transformar...Apenas aceitar e sentir.
Muito difícil para mim.
As Expectativas, as malfadadas expectativas estão inundado minha mente de anseios, de teorias, de normas que fatalmente se tornarão em alegrias e decepções.
Estão por toda parte esses preceitos. Fomos educados pelos livros das condutas e das normas. Temos medo das fatalidades, causas e consequências. Não apenas o medo necessário para a sobrevivência, mas o medo de agir e se aventurar. Assumir consequências nos causa dor ou prazer, mas o medo da dor é determinante.
A primeira delas é a exclusão, a excomunhão, a segregação, a rejeição. 
Nos ensinam: A Arte de Sofrer Menos. parece até auto-ajuda, mas está contido nos "Livros".
Não aprendemos nos livros a Arte de Amar e sim sobre Como Ser Aceito pelos outros e por nós mesmos.

Escrevi: Uma coisa importante: Saber tudo sobre quem adota. E estou aprendendo que não se pode ser seletivo ao adotar. Tem a ver com doar.

Confundimos relação com amor.
Você pode ficar aqui se não mexer nas minhas coisas. Se mexer eu te expulso e você sofrerá eternamente!
Ok, para relações, mas amor não é isso, não pode ser isso. 

DEPENDE não faz parte da linguagem do amor e sim de uma relação.

Escrevi: Quando a gente mede o "Tanto", já está fazendo um julgamento e dando a sentença. Me fez lembrar Abraão. 

Escrevi: É inspiração. As coisas passam a acontecer. Por amor ou pela falta dele. Mas tudo gira entorno. Talvez aí resida o "bem" e o "mal".
Inspiração é Som e Luz
Talvez seja onde devemos buscar o amor a ausência de ou da busca.
A Paz e Satisfação no sentido de pleno de plenitude de abandono de se deixar ser
Dissolver-se em algo ou no nada.
Não sei o que seja isso, mas imagino.
É onde se completa uma sinfonia ou nasce uma estrela.
Eu Li sobre Som e Luz: Faça-se Luz (Som e Vibração) e a Luz se Fez (Cores e Matéria)
Talvez não entenda o amor, mas poderei aprender sobre relações amorosas. Estamos no mundo das realizações, das concretizações.
Creio que não temos que perdoar tudo ou aceitar tudo. Isso é relação. Condições e proposições são para a convivência.
Só não creio que comece com amor e perdão. Isso é religião.

Não pode acontecer. Quando se ama, não se pensa em perdão antes. Se for verdade é presunção perdoar. Perdão é para relações!

Escrevi e li tanta coisa para mim que aprendi ou desaprendi  algo sobre mim, graças à alguém especial. Não sobre o mundo, ou outras pessoas, mas escrevi para mim e sobre mim.

De uma amiga: Tenho sentido. "Tenho lido. Amar é atitude. Por amor a gente age sempre. Quando a gente não ama, não tem atitude. Não existe-a."

Sobre o amor?... É melhor sentir!
Amar é: Deixar Rolar... Se existir de fato. e cada dia é um dia. Sei lá... Não sei não...


Assim nascem os Contadores de Histórias


Compreenção:
Ele não foi punido, por pedir socorro. Foi abraçado!
Ele estava afogado no medo e entenderam que precisavam salva-lo.
Não foi expulso e fez da sua vida um paraíso!

FELIZ ANO NOVO!

Nenhum comentário:

MINHA FORTALEZA


VOLTA PRA MIM!!!
MESMO QUE ESTEJA EM OUTRA DIMENSÃO!!