19 de dezembro de 2015

Hymne à L'amour e Viva la vida!


Hoje faz 100 anos do nascimento de Edith.
Edith a íntima! Somente Edith.
E me vem lágrimas aos olhos toda vez que ouço essa musica.
Lembro-me sentada à janela do Edifício na Rua Tupis onde morava minha avó materna.
Ela uma guerreira como Edith, amiga de Cecília Meirelles e que viajava todos os anos com as meninas maiores de 70 anos.
Minha avó tinha uma casa enorme em um bairro tradicional de Belo Horizonte, mas naquele momento residia em um apartamento pequeno. Aposentada, independente tinha uma máquina de costura, um fogão elétrico, mas preferia um fogareiro, para fazer as refeições ligeiras.
Àquela hora, ela estava sentada em frente à máquina de costura tentando agradar a neta de sete anos que era mimada pelo avô paterno.
Arrematava um vestido e queria que eu experimentasse.
Eu esperava sentada, olhando as paredes ao fundo que se estendiam até chegar aos céus.
O cheiro forte do querosene invadia minhas narinas que se dilatavam para reconhecer o odor as vezes estranho, outras instigante.
Foi quando eu escutei, vindo do apartamento abaixo, essa maravilha que me fazia adulta no tempo.
Por momentos eu deixara de ser uma menina ingênua de sete anos...
Por instantes eu me sentia uma mulher e experimentava dor e prazer.
E eu passei as costas da mão na face para esconder as lágrimas que escorriam na face, como agora enquanto escrevo.
Novamente um cheiro forte me vem a mente.
Uma associação um tanto estranha e sem nexo que só eu sei onde conecta.
Uma Janela...
Uma música que escala paredes brancas até aos céus...
Uma emoção forte que se dissolve numa olência que entontece e transporta o viajante...
E lágrimas que escorrem num tempo de criança e segredos de mulher!

Nenhum comentário:

MINHA FORTALEZA


VOLTA PRA MIM!!!
MESMO QUE ESTEJA EM OUTRA DIMENSÃO!!