9 de abril de 2010

AS PORTAS








Há muitas portas…

Há uma porta
que navios de sonhos
embalados pela inocência
navegam por mares policromos
nas ondas da inconsciência.

Há outra porta
Onde uma Moura Torta
Quebra potes
Por que a sorte
Não lhe sorriu
uma só vez.

Atrás de outra
Há jardins
suspensos em nuvens
Para entrar só com testagens
que decifre personagens
Enígmas e por quês…

Outra se abre
E vê-se no espelho
se conhece e redescobre
Invertido no assemelho.

Muitas portas…
Várias portas…
Que confundem
E iludem

Tantas portas…
Para que?
Tanto ponto de interrogação!…

Há uma porta…
Que importa
e só abre uma vez…
Se indaga:
O que haverá por trás?
E o medo da saga
fecha-a para sempre
de vez…

E uma outra
Que se abre
para um quarto
simples e solitário
onde se pode ser
realizar e conceber...

Que as vezes me pergunto:
Se é feliz na multidão?
Eu afirmo com certeza
Estou serena na solidão…

Maria Tereza Penna


Ilustração Maria Tereza Penna

Um comentário:

Wanda disse...

Oi amiga...
Muito lindo
o seu poema.
Bom te saber mais serena.
Ótimo domingo.
Bj

MINHA FORTALEZA


VOLTA PRA MIM!!!
MESMO QUE ESTEJA EM OUTRA DIMENSÃO!!