21 de maio de 2020

Eureka!

Estou escondida atrás da porta como quando tinha 5 anos. Era véspera de Natal.
Eu sempre ganhava presentes que me encantavam e me faziam agradecer brincando e rindo pela sala. Me lembro bem.
Não são só imagens. São sensações ressucitadas e novamente revividas.
Nunca me bastaram a alegria e a felicidade do momento. Era tão bom que me faziam querer saber de onde vinham. De onde surgiam e que provocavam emoções vibrantes de contentamento e liberdade.
Nunca me bastaram somente a gratidão.
Eu sempre quis saber o porquê.
Sempre questionando de onde vim, para onde vou, buscando um caminho para encontrar comigo mesma. Quem sou? O que estou fazendo?
E anjos sempre surgem. Anjos que confortam, anjos que se zangam as vezes, anjos que né fazem rir, anjos que pregam peças, anjos exigentes que ensinam com severidade e outros que pegam em nossa não e nos conduz.
E isso me intriga. Por quê?
Será o medo de perdê-los?
Será o medo de saber que não existem?  E que nunca mais voltarão se eu encará-los?
Não me basta sentir o amor e s gratidão.
Sempre atrás das portas para me certificar que Papai Noel virá num trenó com suas renas e postará meus presentes  sobre o pé da árvore de neve.
Meu avô exigia a brancura da neve.
Porém, no fundo eu desejava era surpreender os que colocavam meus sonhos ao pé da Árvore.
Me recordo que passei a noite inteira atrás da porta. Me deixaram no chão atrás da porta, era verão mas creio que foi para que eu aprendesse a lição; Enquanto você ficar tentando entender, tentando ser desincha prazer, vai dormir no chão atrás da porta.
E quando abri os olhos e vi bolas, bonecas e cores que me faziam pular de satisfação. Abracei meus sonhos que estavam a minha espera.
Porém até hoje me pergunto: Eu ficaria mais contente com a descoberta de meus pais junto montando a pilha dos presentes? Adoraria ver a cara deles quendo soubessem que eu estava a busca da verdade. Chorando e rindo enquanto escrevo.
Eu sou discípula do anjo Pregador de Peças a espera do prazer de dizer: Te peguei com a boca na botija!
E sigo buscando entender a verdade.
Eu sou adepta do : Eu Hein!
Me oferecem castelos nas brumas de Avalon, mostram caminhos livres para seguir e até o que eu penso e escrevo como agora: Um quarto onde eu  possa realizar e conceber. O quarto tem portas que se abrem para os céus, para uma floresta verde com o silêncio dos ventos, canto dos pássaros e águas puras,  outra se abre para  que eu aprenda com lições necessárias para a sobrevivência.
Talvez apenas viver o presente me faria acreditar e agradecer.
Sentir gratidão pela vida é a grande lição para entender o Amor.
É a dádiva maior que os anjos nos oferecem.
 E em vez de Eu Heim! Eu grite: Eureka!





O aprendizado e s consciência nós liberta. Que a verdade aliada ao conhecimento sejam as chaves para o discernimento e a sabedoria. Estamos construindo realidades Universos particulares. Que convivência na coletividade seja para a concretização de um mundo melhor.


Nenhum comentário: