18 de agosto de 2016

HORS CONCURS

ESSE EU PROÍBO DE PARTICIPAR DE QUALQUER OLIMPÍADA!

O Hor concour

21 de junho de 2016

BANDIDEX

Tudo dentro do contexto, faz sentido...
Fora, é plausível de discussão e julgamento imparcial ou falho!
Não tens inimigo mais poderoso, mais astuto, mais emperrado e mais doméstico do que o teu amor-próprio. Se queres errar frequentemente sentencia pelo seu voto.
-- (Pd.) Manuel Bernardes

Uma vírgula, um ponto, uma frase fora do contexto pode te condenar ao purgatório.
Escrevendo a essa hora, pensando sobre o que incomoda.
As vezes somos cruéis conosco, o que nos obriga a meditar às 2:00 da manhã e correr para registrar a culpa, almejando a redenção.
Falei sobre um caso ocorrido em 1977. Veio a tona para levantar uma discussão.
Uma colega ia trabalhar com trajes não convencionais ao ambiente de trabalho, e que já saíra  algumas vezes, com o dono da empresa, trabalhava para sustentar a família, acabou se envolvendo em um caso Sui Generis.
Não havia computador para nós em 77. E recorrer ao Aurélio era a alternativa para menos erros e maiores desempenhos. Era o livro mágico das palavras..
Procurávamos o Glossário há mais de uma semana em vão. fomos obrigados a adquirir outro exemplar, devido ás nossas demandas.
De repente, eis que ele aparece como uma almofada, onde o que nomeei de "Piriguete" ontem, estava sentada, fazendo do livro um trono particular.
O "dono " da "firma", o tal que saíra com a Piriguete desabafa: Inteligência, quando não entra por cima, tende a entrar por baixo! 
E saiu marchando chão pesado.
Por que eu nomeei a colega de piriguete?
Por que ela era livre para fazer o que bem entende? Respeitar locais, normas, é imprescindível. Porém ela obtera salvo conduto, pois o Dono era um Bandidex! Ele era Lei local, Sed lex dura lex com poderes de abrir e fechar portas. Então ela estava no espaço que preenchera. Por que julgamos com malícia e não com a imparcialidade ou com honestidade?
 Justiça seja feita, ela era bonita, cuidava de uma família, conseguia digitar, o que era imprescindível nas épocas das IBMS.
E vemos que o mundo mudou... Ou não... Não importa desde que respeitemos a nós e aos outros...
Ouvi sobre "Empoderamento" . talvez seja isso que me fez pronunciar com maldade a palavra desfrutável.
Podemos sim! com normas, pensamentos e talentos particulares impactar multidões. Com verdade e atitudes libertárias. dar um basta na violência doméstica, na discriminação e na arbitrariedade dos que impõe ou explora vulneráveis. Independente de raça, credo ou gênero.
Conheço Ladys, Godivas ou apenas mulheres que saem nuas às ruas. Mulheres na simplicidade ou na liberdade. No sentimento ou na exposição de serem elas mesmas. Mulheres domésticas ativas  ou agrestes. Algumas carregam transtornos na alma e na mente. Estigmatizadas ou diagnosticadas, Porém, nada justifica o assédio, a violência ou o ESTUPRO. Agora com permissão COLETIVA! UMA CULTURA abominável vem a tona. Nossa civilização adoeceu!
Vi, agora, no instante em que liguei o computador, a Tina Turner em seus 78 anos. Bela, Altiva, e Capaz,  vestida como uma "Piriguete" motivando pessoas a continuarem vivas e muito felizes!
Quer saber? VIVA O Rrock n roll! Viva o ROCK!VIVA O POP! Viva as "Piriguetes"!

Diva! Guerreira! Libertária! Não é a Lady Godiva! 
É a TINA TURNER!

8 de junho de 2016

Os Meninos

5 de junho de 2016

Simples Assim

Meus cabelos sempre à esquerda. 
Caminhos de partidas...
Demorei 60 anos para direcioná-los à direita.
Que tomassem outros nortes...
Quantos anos ainda para que não tenham rumos?
Quantos custará para que eu saiba que subtrair pedaços de minhocas, não é multiplicar rabos?
A Rigidez vai diminuindo as chances de acertar...
Vai limitando espaços
E quando a Lucidez chega
Você já acostumou...
Descobre que acreditar no incerto dói
O simétrico é Tirânico
E o não simétrico, é "Desumano".
Meus canteiros são sinuosos, mas continuam produzindo verdes.
Enfim,..
O torto incomoda.

Resultado de imagem para einstein
Resultado de imagem para einstein
Meus cabelos já estão tão brancos como...
Mas soltá-los? Não me permito!
Eu? continua a mesma! E os meus cabelos também!

https://www.facebook.com/eextraordinario/videos/1634837636842156/

25 de maio de 2016

Marketing Alto Nível


É uma brincadeira. Não me levem a sério. Tudo é válido. Até bolsa de valores para pobres...
Bom a verdade é: Não tenho nem pro começo e todos que entram tem empresas, atividades rentáveis que lhe permitem escolher entre uma atividade ou outra. Não tenho relacionamentos para alimentar o empreendimento, nem consigo desenvolver ações para o objetivo. Não é a minha praia. Soluções em tempo de crises e onde parcerias estão crescendo. Porém tive a oportunidade de apreciar coisas inimagináveis e sabores sublimes, oferecidos em talheres "extremas" onde pude escolher as mãos! Maravilha das maravilhas!...
Degustei algo servido de forma distinta, generosa. Generosa de gentileza, não de abundância. Na medida e apresentação corretas. E que fica bem com algo que faço. Reparei nos detalhes, no que chamam de Savoir Fair. Aprendendo. E desaprendendo.. Inspiração graciosa... Agradeci ... Agradeci o prazer!
Não ter dinheiro as vezes te coloca com Paus e Pratas nas mãos...E você pode levar simplesmente as mãos nuas à boca experimentando como um bebê!

PS: Mas pode fazer com grana também! Sempre que desejar... Não somente às vezes... Correção contra o Pré-Conceito

AFF AFF Maria! 


16 de maio de 2016

Isso foi Ontem? Aconteceu ontem? Ou Eita Mundo Velho


Rir é sempre o melhor recomeço! Recomeçar é a solução. Rir o melhor remédio!
Eita Mundo Velho!...

O Martelo Negado


Ando ceifando a terra. Dizem que quem planta seu próprio alimento, está imprimindo dinheiro. Aproveitem antes que a façanha seja proibida e sermos julgados como falsários. Meu avô, sabiamente,  me deu o LP , porém me negou o martelo. hahaha.
O danado gostava da Rita Pavone, e ela andava com gravatas ao pescoço..
Vestidos? só com martelo na mão! kkkkkk


14 de maio de 2016

A Bandeja e o Jogo do Bicho e o Glamour

O Título poderia ter sido: A Bandeja, o Glamour e o Beliscão ou O Glamour na Liberdade.
A bandeja e o pires. Minha avó fazia questão dos dois. Se alguém fosse à nossa casa, ou simplesmente à porta por um copo d'água, deveria ser atendido com um pires abaixo não só da xícara, mas abaixo do copo. Deselegante, desrespeitoso tocar no copo que era para outra pessoa. Para mais de uma pessoa usa-se bandejas. Xícaras e copos com pires embaixo. Minha avó paterna tinha paninhos de linho com crochés, bordados e outros caprichos.
"Caprichos" era Glamour, ou ainda sejam.
Livros na cabeça e alguns poucos beliscões. Prazeres e pequenas torturas. Lembro-me de um beliscão apenas, mas que ficou gravado na memória. Abri sua gaveta de paninhos, de rendas francesas, de Patchouli entre brancos lençóis de Percal. Sempre arrumada, tudo colocado ordenadamente como se fosse um tesouro particular, não era permitida a façanha sem a supervisão de minha avó Alice.
Respeito ao Charme, ao sonhos de camisolas e Boa Sorte.
Alice cozinhava divinamente, passava as camisas e as cuecas de tricoline do meu avô e fazia alguns serviços da casa.
Ela se preocupava com os mínimos detalhes, porém reservava para si um mundo de maravilhas em recompensa ao esforço cotidiano.
As vezes ela sonhava com bichos. Adorava gatos pretos e quando aparecia algum ela amarrava laçarotes vermelhos ao pescoço. Os gatos que ficavam por alguns dias pareciam não se importar desde que, o leite e restos de carne fossem colocados à disposição.
Morávamos em apartamento e não era conveniente a adoção de animais. Criada desde a infância em grandes áreas rurais Alice se apegava facilmente aos bichos. Porém, assinava uma revista intitulada "Vida Doméstica".
Ela sonhava com animais e pedia para alguém jogar no Bicho.
Jogar no Bicho era uma prática que espalhava dinheiro principalmente nos morros.
Contravenção que quase todos praticavam sem culpas maiores a não ser o incômodo de estar cara a cara com a infração.
Engraçado pensar sobre como a Hipocrisia Constitucionalizada e Legalizada pode interferir de forma grotesca e facínora nos destinos dos brasileiros.
Não estou defendendo o Jogo, mas trocaram o que nasceu nas comunidades sem discussão de mérito ou validade, por organismos que praticam fraudes dentro das leis. Estatizaram a contravenção e jogaram o "Ópio" no povo. Não vou autenticar a privatização das instituições, nem endossar a máfia do saque.
A liderança dos morros usava terno de linho branco sapato bicolor, chapéu e gravata.
Produziam Cartolas, Pixinguinhas, Dongas, João da Baiana e outros...
Pós Áurea, eram os arautos da Liberdade. O Glamour na Liberdade...


  Pelo Telefone - Donga

O chefe da folia
Pelo telefone manda me avisar
Que com alegria
Não se questione para se brincar

Ai, ai, ai
É deixar mágoas pra trás, ó rapaz
Ai, ai, ai
Fica triste se és capaz e verás

Tomara que tu apanhe
Pra não tornar fazer isso
Tirar amores dos outros
Depois fazer teu feitiço

Ai, se a rolinha, sinhô, sinhô
Se embaraçou, sinhô, sinhô
É que a avezinha, sinhô, sinhô
Nunca sambou, sinhô, sinhô
Porque este samba, sinhô, sinhô
De arrepiar, sinhô, sinhô
Põe perna bamba, sinhô, sinhô
Mas faz gozar, sinhô, sinhô

O peru me disse
Se o morcego visse
Não fazer tolice
Que eu então saísse
Dessa esquisitice
De disse-não-disse

Ah! ah! ah!
Aí está o canto ideal, triunfal
Ai, ai, ai
Viva o nosso carnaval sem rival

Se quem tira o amor dos outros
Por deus fosse castigado
O mundo estava vazio
E o inferno habitado

Queres ou não, sinhô, sinhô
Vir pro cordão, sinhô, sinhô
É ser folião, sinhô, sinhô
De coração, sinhô, sinhô
Porque este samba, sinhô, sinhô
De arrepiar, sinhô, sinhô
Põe perna bamba, sinhô, sinhô
Mas faz gozar, sinhô, sinhô

Quem for bom de gosto
Mostre-se disposto
Não procure encosto
Tenha o riso posto
Faça alegre o rosto
Nada de desgosto

Ai, ai, ai
Dança o samba
Com calor, meu amor
Ai, ai, ai
Pois quem dança
Não tem dor nem calor

10 de maio de 2016

Antologia de Ouro

Museu Nacional da Poesia, convida para o lançamento da Antologia de Ouro, edição "Munap 10 anos", dia 15 de maio de 2016, de 10 às 12h, no Sementes de Poesia, Praça dos Fundadores, Parque Municipal, BH/MG.

AUTORES:
Adalgisa de Miranda Magalhães (in memoriam) (MG) Ademir Antonio Bacca (RS) Alexandra Vieira de Almeida (RJ) Alícia Barbosa (MG) Alirio Moraes (MG) Amador Ribeiro Neto (PB) Ana Cruz (in memoriam) (MG)Angela Togeiro Togeiro (MG) Angela Vieira Campos (MG) Angelina Andrade da Mata (MG) Antonio Galvao (MG) Aroldo Pereira Pereira (MG)Brenda Marques Pena (MG) Carlos Molina (MG) Castor (in memoriam) (MG) Cláudia Gonçalves (RS) Cláudia Cê Römmelt (Alemanha-PR)Claudio Mangifestasta (Argentina) Cleria De Lourdes Nogueira (MG)Cristina Mara Carvalho (MG) Dado Carvalho (SP) Darci M Oliveira (MG)Dora Oliveira (MG) Douglas Freire (MG) Eduardo Rennó (MG) Evandro Carvalho (MG) Fábio Martins (MG) Fernanda Augusta (MG) Fernando Marco Righi (MG) Gisele Dos Santos Lemos(MG) Graca Quintaoão (MG)Ilária Rato Zanandréa (ES) Ivone Ayres (MG) Jandira Santos Ventura (MG) Javier Robledo (Argentina) Joao Diniz (MG) José Hilton Rosa (MG)Joubert Cândido (MG) Karla Celene Campos (MG) Kátia Chaves Romano(MG) Kennedy Pessoa Barbosa (MG) Lígia Borba (PR) Luciana Brandão Carreira (PA) Luís Filipe Sarmento (Portugal) Marc Davi (MG) Marcos Fabrício Lopes da Silva (DF) Maria Antonia Moreira (MG) Maria da Consolação (MG) Maria Gracas Barbosa (MG) Maria Tereza Penna (MG)Maria Zinato (MG) Mariza Sorriso (RJ) Mateus Stelini (SP) Mauricio Gomes (SP) Miriam Quintao (MG) Myrian Naves (MG) Neuza Ladeira(MG) Olga Valeska (MG) Patrícia Castellani (MG) Paulo Cezar S. Ventura(MG) Rafael Belo (SP) Regina Mello (MG) Ricardo Silvestrin (RS) Roberta M. Sena (MG) Rodrigo Barroso Fernandes (RJ) Rosângela Álvares (MG)Sandra Fonseca (MG) Simone Martins Pedro (RJ) Tania Diniz (MG) Todd Irwin Marshall (USA-MG) Vanessa Tarabal (MG) Vitor Vidal (MG).
Organização Regina Mello
Apresentação José Antônio Orlando e Evandro Carvalho

9 de maio de 2016

Aguardando o Giro da Vida

Perdi um Poema aquela noite...
Por frio, por preguiça no aconchego.
Não sei ao certo.
O fato é que perdi!
Perdi um poema aquela noite...
Não tive a coragem bastante para sair do meu conforto.
A verdade é
Perdi um poema aquela noite...
Restou algo que me consome
Que me leva a escrever esse lamento:
Perdi um Poema aquela noite...
Era algo sobre o sol?
Seria sobre a fidelidade?
E a frase de fé persiste na mente:
Aguardando o giro da vida...
Não me aventurei a buscar no instante.
A inspiração não se decora
Ou se pratica no momento,
Ou ela se esvai.

Maria Tereza Penna

PS:  A gente perde coisas... Mas algumas certas coisas a gente segue  buscando o retorno.
O sol reparece sempre, mesmo que encoberto ...

Soleil
Françoise Hardy



E era ele, o sol
Que nos despertava
Toda manhã
E o mar estava lindo
E corríamos para ele
De mãos dadas

Então nós andamos pela praia
Você procurava conchas
Como uma criança
Colocava na orelha
Para ouvir, eu me lembro,
O oceano dentro

Sol, eu te amo
E para sempre
Você é fiel
Mas o amor
Não é constante como você
Por que?

Você tinha sempre muita fome
As ameixas e o vinho
Eram para você
Você explodia comigo
Quando eu não comia
Isso não era nada.

E a água escorria pela areia
Nossos sonhos eram parecidos
Eu me lembro
Nós falávamos da casa
E das crianças que teríamos
E estávamos bem

Sol, eu te amo
E para sempre
Você é fiel
Mas o amor
Não é constante como você
Por que?

E é sempre ele, o sol
Que me acordará
Toda manhã.
Sol de inverno ou de verão
Ele vê os amores passar
E as tristezas

Quantas outras praias serão necessárias
Quantas outros rostos
Para como você,
Esquecer a casa
E a criança de cabelos loiros
Que nós não temos.

Sol, eu te amo
E para sempre
Você é fiel
Mas o amor
Não é constante como você
Por que?

Sol, eu te amo
E para sempre
Você é fiel
Mas o amor
Não é constante como você
Por que?

3 de maio de 2016

Respeito às Tradições


A Liberdade se vestir segundo às suas convenções. O respeito às tradições e outras culturas. Civilizações que nos ensinam e nos elevam às melhores expectativas de estarmos humanos.O mínimo é o máximo na demonstração de boas-vindas!

Eu Não Sou A Minha Avó.

Você não vai acreditar no que esses bebês fizeram. :o
Publicado por Viralizando na NET em Segunda, 7 de março de 2016
Aldeia Global - Solução a curto prazo
A Espaços e ocupações sustentáveis
A Verdade nasce na Inocência
Até os Bebês preservam espaços. Ocupam, compartilham, brincam, mas trazem consigo um lugar onde regressar para um sono tranquilo. Sonhar e acordar.

Eu tinha 8 anos, quando crianças batiam a nossa porta pedindo algo para comer, minha avó convidava a entrar e sentar a nossa mesa.
Todo dia batiam a nossa porta. Os mesmos rostos afrodescendentes. Pupilas negras rodeadas por brancos de brilhos saltantes.
Comiam com a colher empurrada pela pulso.
Minha avó cozinhava muito bem e delirava quando não deixávamos nada no prato. Era a recompensa e parece e que essas crianças que chegavam era o prato feito de minha avó.
Mas quando voltavam insistentes, eu me aborrecia. Não queria almoçar ao lado de estranhos todos os dias. Não me sentia confortável. Uma vez ela chegou a colocar uma menina quase da minha idade dividindo meu quarto. Eu me exaltei por dentro. Não queria parecer egoísta, mas aquilo estava se tornando insustentável para mim. Não suportava dividir meu canto e a atenção de minha avó.
Não sentia mais fome...
Não gostava mais da comida da minha avó.
Meu avô também achava exagerada a atitude dela. Porém não fazia objeção. A atitude, já estava se tornando inconveniente para nossos olhos, ou melhor, nossas bocas. e olhos.
Dessa vez ela passara dos limites. Meu quarto! Meu quarto que era só meu! Onde eu lia Monteiro Lobato, Amava Tia Anastácia que criava vida com suas negras mãos, mas estava começando a me sentir invadida, Minha avó estava implantando uma revolução dentro da própria casa. Eu estava Revoltada! Como ela pudera fazer isso comigo? Ela deitava todas as noites na minha cama. Me fazia adormecer com suas histórias de sonhos particulares que dividia comigo e não mais compartilhava. Ao contrário: Eu partira e repartira meu quarto com outra criança da mesma idade. De imagem oposta a minha! Eu me senti preterida. Minha avó não gostava da minha aparência? Ela gostaria de ter outra neta? Ela queria contar histórias para outra menina? O que ela queria me dizer? Ou apenas se manifestava sem qualquer pretensão?
Ainda bem que a mãe da menina veio buscá-la antes que eu parasse de comer definitivamente.
Depois de casada, esperando um filho, bateram à minha porta. Abri aquela portinha  acima e vi um jovem de cor parda, pedindo dinheiro para comida. A cor sempre me vem a mente. A cor sempre se faz relevante quando não se vê jovens brancos pedindo comida. Nunca bateram à porta para pedir auxílios. Ou eram madres, freiras, ou pessoas ligadas à entidades beneficentes. Estava sozinha e com uma barriga enorme,  Abri minha bolsa e vi que não tinha quase nada lá. Peguei tudo e entreguei ao pedinte. Ele raivoso, esmagou a "esmola" e jogou basculante adentro e me fitou arrogante. Senti medo e alívio por não ter aberto a minha porta. Fechei o basculante, diante do rapaz, com receio que ele colocasse o braço para dentro e abrisse. a tranca. Percebi que a idade é fator para que portas sejam abertas. Percebi a vulnerabilidade de estar por vezes sozinha .Aprendi que nem todos recebem por sentir fome e que outros não querem aplacar a fome. Alguns querem ofender e machucar. Que nem todo o dinheiro do mundo irá satisfazê-los. pois a falta de oportunidade os tornou cruéis. Pessoas pedem ajuda para recomeçarem, para continuarem sua caminhada. A vida vai ensinando. Os tempos são outros, ou as pessoas mudaram. Ou sempre foram assim...
Eu sou diferente da minha avó. Eu gostaria de poder fazer coisas para inserir pessoas na comunidade em que vivem, mas não desejo abrir minhas portas particulares e colocar pessoas adentro.
Creio que o respeito e a justiça iguala a todos. Que a injustiça é a mãe do preconceito e da discriminação. Nós somos vítimas de nós mesmos.
Minha avó se chamava Alice. "Significado de Alice
Significa “de qualidade nobre”, “de linhagem nobre”.
Tem origem nas versões francesas Adaliz, Alesia, Aliz, utilizadas como diminutivo de Adelaide , que tem origem no germânico Adelheid, composto pelos elementos adal, que quer dizer “nobre” e haidu, que significa “espécie, tipo, qualidade”.
O nome Alice se tornou muito popular na Inglaterra e na França por volta do século XII, sob as formas de Alesia e Alicia.
Fonte: Dicionário de Nomes Próprios" http://www.significados.com.br/?s=Alice .
Cada um é especial à sua maneira.
Eu posso sair, doar ou vender meu tempo, repartir coisas e manifestar afeto, mas preciso de um lugar para retornar à minha solidão ou vivência. Necessito da solidão para conviver e compartilhar... Mesmo que rodeada de pessoas e compartilhando meu quarto eu preciso saber que meu espaço existe. E que faço parte de algo maior e mais justo. Eu não sou minha avó!


Onde come um, comem dois. Acredito nisso, mas cada um deles tem seu refugio para dormir. Isso deve ser a expressão: SE sentir em Casa. Estou de volta para meu aconchego...
Acabo de encontrar a meia que não estava no varal quando recolhi a roupa. A meia estava limpa. Roupa suja lavada. Me parece que estavam brincando com a peça, ou o vento a acomodou ali.

29 de abril de 2016

Acreditar ou Não... Eis a Questão! (Auto Hipnose?)

Se podemos vislumbrar a existência de algo, podemos não acreditar na existência desse algo.
Acredito, logo existo? Acredito, logo existe? Não acredito, não existe! e voltamos ao zero, onde a mente inicia sua programação...

Matrix Lobotemático


Nem tudo o que penso posso comentar...
Outro dia tive a liberdade de comentar com uma amiga que convivo há 45 anos:
Estamos ou estou numa Matrix.
Ela respondeu: -É! É isso!
Senti um alívio ao escutar, pois falei em tom de desabafo. Se comentasse isso com meus filhos eles já falariam: - É, você tem amigo da NASA, você está num Matrix e completariam: Você tem de parar Mãe! Tem de se tratar!
Eu gosto de cinema. Só não consegui assistir Matrix nem Harry Porter. Do Matrix só ficou na mente os óculos escuros de Keanu Reeves
Esse último, o das Magas Crianças, me dá sono por suas cores sombrias, brumas, neblinas e seu azul e vermelho em infinitas nuances, salvo raras exceções. Nunca chego ao final. Meus filhos assistem sempre e se encantam. Eu, deve ser a idade, ou o cansaço... Ou algo nos olhos que precisa de reparos. O tema é convidativo.
Mas consegui assistir até o final e por mais de uma vez Efeito Borboleta. Devo estar mesmo fora dos "Conformes". 
Pessoas que vivem neste mundo devem ser felizes, pois anseiam por primaveras e elas são fieis. Acontecem todos os anos.
A felicidade acontece todos os anos assiduamente...
Viver na penumbra e ter a certeza que dias melhores acontecerão é produzir esperança e satisfação.
Ou estar feliz é sentir o simples sem o compromisso com a verdade. Ouvi dizer que a verdade gera ódio. Só quando há extremos ou não há justiça.
Quando se vive na profusão de cores, onde o branco é a revelação de todas, onde um prisma pode comprovar a intuição e a composição da Luz, é obrigação e finalidade ser Feliz. Uma cobrança cruel, pois somos um universo em uma unidade Individual. Não temos interseção para motivar momentos felizes. Um paraíso que encantou Gauguin e outros. Os trópicos e suas abundâncias. "O Novo Mundo".
Mas voltemos ao Matrix.
Não acredito que estejamos sendo manipulados por Aliens perversos. Acredito sim, que produzimos realidades e criamos universos paralelos ou um único, coletivo.
Como dizem por aí: Estamos no mesmo barco ou no mesmo bonde.
E eu gostaria de possuir uma Varinha de Harry. Portar uma Condão de Magias nas horas em que me sinto vulnerável. Criar concretamente,. Possuir o livre arbítrio nas decisões.
Mas estou num redemoinho onde me transporto e carrego pessoas junto. O que "sonho" é manchete na manhã. Me sinto dirigindo um universo de coisas e preciso melhorar meu pensamento. Não consigo fazê-lo. A Culpa da Neurose! Tenho que sair dessa roda que os místicos nomeiam de Samsara , ou seja lá o que for que esteja me dirigindo.
Sonhar um sonho Feliz! Sonhar um Mundo onde pessoas sorriem e se completam. Pois somos parte de algo e nos foi dado o poder criar e mudar realidades.
Essa responsabilidade nos tirou do paraíso assim que soubemos da sua existência.
Nós somos condutores da mesma Nave e nossa Jornada é ÀS ESTRELAS!


Cientista da NASA diz que podemos estar em uma Matrix criada por aliens

O Produto

Ontem eu li de um poeta:
A Riqueza não é o oposto da Pobreza...
Ou seja:
A Pobreza não é o oposto da Riqueza...
Não importa. Para ambas afirmativas o resultado era o mesmo: A Justiça!
O Oposto de ambos é a Justiça!
Como diz a Regra: A ordem dos fatores não altera o produto.
Na multiplicação é fato, não fator.
Mas na vida, a justiça é Variável, não consequência.
Falso ou Verdadeiro?
Estava lá escrito postado por Mia Couto :
O oposto da Riqueza, não é a Pobreza.
É a Justiça.
Pensei cá com meus botões:
Coisa para se meditar...
Apenas comentei a possibilidade contrária e convidei a reflexão.

PS: Mia Couto é um poeta da atualidade. Com versos sensíveis vem conquistando espaço.



13 de abril de 2016

Paz de Rock


Todas as pessoas seguem atrás do prazer. Independentemente da crença.
A verdadeira busca é a do prazer, mesmo na dor! O resto é modo de conter sentimentos e emoções. O exagero e a distorção de objetivos movidos por interesses alheios à paz e à satisfação, é o  que aprisiona e manipula.

12 de março de 2016

Klimt et Vienne

Découvrez la bande-annonce du spectacle "Klimt et Vienne, un siècle d'or et de couleurs" ! #KlimtVienne #CarrieresdeLumieres
Publicado por Carrières de Lumières em Quinta, 27 de março de 2014

11 de março de 2016

Espaços e Ocupações Sustentáveis


Você não vai acreditar no que esses bebês fizeram. :o
Publicado por Viralizando na NET em Segunda, 7 de março de 2016
Aldeia Global - Solução a curto prazo
A Espaços e ocupações sustentáveis
A Verdade nasce na Inocência

Extremos

O Ódio é consequência do Amor exacerbado.
O Amor nunca será consequência do Ódio que excede. Não existe "Exagero", limites ou extremidades no Ódio, existe incomplacência ou somente ausência do Amor.
Vivemos as consequências dos FATOS e dos ACONTECIMENTOS , não das "Verdades" Históricas.
Mesmo que neguemos os Fatos, as consequências serão Reais.
Não se interpreta o prazer ou a dor. Só manifestam no sentir.

29 de janeiro de 2016

OLHOS DE PEIXE


Exposição de Maria Tereza Penna> Desenhos, pinturas e gravuras. Suportes: Telas em Tecido, papéis de Bagaço de Cana, Fibra de Bananeira e Coqueiro.

30 de dezembro de 2015

Estamos Prontos!

Agradeço Oh Pai do Filho, O Sopro do Espírito ...
Agradeço Oh Pai ás bençãos concedidas!
Agradeço Oh Filho, A Vida que concebeste!
Vinde Oh Belíssima Vida!
Vinde Oh! Belíssima Vida!
Estamos Prontos!
Vida Belíssima esteja sobre nós!


Para Fora

Preciso colocar as coisas boas para fora. Estou avó a partir de 29/12.
Mas um Rio não se cala dentro.
Minha filha está...
Mas o Rio não se cala.
Chora... Chora mais alto que o choro do filho do filho...
A alegria virá para salvar a esperança que morre dentro...
Chora... Chora Rio... Me liberte para que eu possa sorrir para meu neto
E eu receba as bençãos do filho do Pai...
Que nasce e renasce em uma criança
Que Chora... Chora de tanta Vida...

19 de dezembro de 2015

Hymne à L'amour e Viva la vida!


Hoje faz 100 anos do nascimento de Edith.
Edith a íntima! Somente Edith.
E me vem lágrimas aos olhos toda vez que ouço essa musica.
Lembro-me sentada à janela do Edifício na Rua Tupis onde morava minha avó materna.
Ela uma guerreira como Edith, amiga de Cecília Meirelles e que viajava todos os anos com as meninas maiores de 70 anos.
Minha avó tinha uma casa enorme em um bairro tradicional de Belo Horizonte, mas naquele momento residia em um apartamento pequeno. Aposentada, independente tinha uma máquina de costura, um fogão elétrico, mas preferia um fogareiro, para fazer as refeições ligeiras.
Àquela hora, ela estava sentada em frente à máquina de costura tentando agradar a neta de sete anos que era mimada pelo avô paterno.
Arrematava um vestido e queria que eu experimentasse.
Eu esperava sentada, olhando as paredes ao fundo que se estendiam até chegar aos céus.
O cheiro forte do querosene invadia minhas narinas que se dilatavam para reconhecer o odor as vezes estranho, outras instigante.
Foi quando eu escutei, vindo do apartamento abaixo, essa maravilha que me fazia adulta no tempo.
Por momentos eu deixara de ser uma menina ingênua de sete anos...
Por instantes eu me sentia uma mulher e experimentava dor e prazer.
E eu passei as costas da mão na face para esconder as lágrimas que escorriam na face, como agora enquanto escrevo.
Novamente um cheiro forte me vem a mente.
Uma associação um tanto estranha e sem nexo que só eu sei onde conecta.
Uma Janela...
Uma música que escala paredes brancas até aos céus...
Uma emoção forte que se dissolve numa olência que entontece e transporta o viajante...
E lágrimas que escorrem num tempo de criança e segredos de mulher!

17 de dezembro de 2015

17/12/2015 245º Aniversário de Beethoven

BrasilBeethoven














13 de dezembro de 2015

Rakher Upabas

Sem sono.
Pensando sobre os ciclos, a evolução ou regressão.
Tentando não qualificar ou mensurar, apenas refletir.
Vendo um êxodo de pessoas em busca de condições melhores, ou apenas de futuro.
Para uma alguém urbano e uma pessoa rústica ou campesina que nunca experimentou mudanças radicais ou adversidades é pouco provável que entenda o que é escolher onde viver ou se encantar por um local e decidir construir algo mais que abrigos de concreto.
Quando dormi pela primeira vez no "sítio", o som forte do "silêncio" assustou meu ouvidos. Uma folha que se movia no chão, arranhava minha segurança. O rumor de sonidos animais era aterrador e sufocante. Mas ao primeiro raio da manhã, quando abri a porta da cozinha, o cheiro, as cores o farfalhar de galhos convergentes, penetraram sem pedir licença em minha lucidez, causando uma avaria de sentidos.
Eu que sempre tivera como tutela, paredes neutras, estava escandalizada com aquela profusão de tons e timbres que se ofereciam  disputando espaços e vezes no discernimento.
Era tudo novo e reluzente. Sim, refletiam a luz que chegava sem que tivesse tempo para identifica-las e percebê-las em total nitidez.
Pareciam em tempo desfocadas ora extremamente hiper-reais.
Tudo aquilo era novo e inédito para mim.
Era como um encantamento que me transportava a outra dimensão. Uma atmosfera densa e pacífica que envolvia meu corpo como um manto que agasalha.
Meu peito se encheu de uma espécie de líquido rarefeito... Pulmões e guelras se revezavam para suprir e sustentar.
Eu vi hoje, algo que explica o que ando produzindo com mãos, braços, pernas e pés...
Ando fazendo sem folgas, isenta de me posicionar ou sobrepor. Apenas me deixando conduzir por caminhos, vielas, veias e rios.
Não sei onde desembocar.
Mas a imagem, que hoje vi, norteou e me levou a algo que já conhecia. Uma sensação de primeira vez, de raridade e singularidade. Como um renascimento já vivido, porém original.
Uma saída de útero presa ao umbilical.
Eu voltei à porta da cozinha. Estava ali parada novamente. Um regate atemporal e surpreendentemente contemporâneo que me arrastava pela memória e estabelecia onde e como meus olhos enxergavam momentos já frequentados e  existidos.
Eu mudara...
Enquanto o momento permanecia, eu o reconhecia diferente. Ele não perpetuara... Meu olhar transformava o momento toda vez que o focava.
Lembro-me do preceito: Um simples olhar muda o fato.
Eu, transmutada através das emoções que não sobrevivem ao instante, me conformo com minhas limitações de não poder reter o tempo na mente. Apenas viver um instante por vez. Saber que a vida não estaciona. Ela insiste em avançar num renovar constante. E cada vez que olhar para trás, prossigo em frente.
Queria ter olhos de peixe!

PS: Continua....

Acrílico sobre tela - Maria Tereza Penna

Plantas Aquáticas - Maria Tereza Penna

Acrílico sobre tela - Maria Tereza Penna

Acrílico sobre tela Maria Tereza Penna




30 de novembro de 2015

Sepultura


Carlos Drummond fez mais por Itabira que o extrativismo irresponsável. lamentou por um Doce Rio, morto em vida.
Lá não há metrôs, nem foguetes, nem Transformers que anunciem uma nova Era.
Aleijadinho fez mais pelo Circuito do Ouro com seus braços de madeira que 450 anos de exploração assassina. Os templos estão cobertos do metal precioso e a região coberta pela Lama.
Levaram todo nosso metal e construíram transportes velozes enquanto nosso transporte não passa de "Jardineira" sem flor.
Chegaram a outros planetas enquanto passamos uma vida dentro de caixas de latas. Quantas horas os brasileiros passam por dia em caixas de latas?
Não há nada que se possa aprender em caixas de latas com rodas, a não ser esperar, esperar, esperar...
Prisioneiros que entram sem resistir em suas celas divididas com dezenas de outros "Esperantes".
Entram por livre e espontânea vontade e ainda pagam para isso. Ao contrário de criminosos que recebem para entrar em suas celas, eles pagam...Pagam mais que pelo dízimo.. O que emprega e o que é empregado.. O que acredita e o que é beneficiado pela crença
Deveria ter ônibus com cursos a distância. Mais Caixas de lata com rodinhas... Quem sabe não desativam as escolas e fazem das Caixas de Lata, micro escolas que nos ensinem algo melhor que esperar. Esperar feito Pedro Pedreiro...
Esperar por um ônibus, mais uma hora, mais um dia, mais uma vida... Ou seria pela morte?
Enquanto os metrôs levam as pessoas a um destino, aqui os"Esperadores" esperam por um "Vingador do Futuro"... O que nos chega pela TV... Ou apenas esperaram apáticos e catatônicos.... sem ter pelo que esperar...
Cidades devastadas pela Lama..desoladas pelo medo.de perderem seu "Ganha Pão", saqueadas e destroçadas pela perseguição dos que denunciavam crimes, dos que lutavam por um lugar melhor.
Dizem que: Por onde as mineradoras passam, a natureza se renova e passa a atrair o turismo.
Realmente, em Minas mostraremos ao mundo as barragens de rejeitos.Holocausto de Vida e de Futuros..
Ouro Preto ficará para nos lembrar que bodes expiatórios fazem mais por um país que toda sua riqueza em ouro.
Estamos literalmente sem chão!
Não temos onde plantar, onde beber, nem onde pisar.
Não temos mais refúgio. Minas é o retrato da miséria..
Dos que se venderam, dos que perseguiram, dos que mataram, dos que não acreditaram que podiam fazer mais coisas além de serem toupeiras humanas. Só faltam enterrarem as mãos de Antônio Francisco Lisboa nos dejetos tóxicos. Ainda acreditam que a lepra é a maldição dos séculos seclorum...
Enquanto se divertem nas redes com o que seria óbvio e consequente em outros lugares, Empresas fogem do país sem dar satisfação. Levam todo "fruto" da atividade das suas "Facções Criminosas" a outras paragens. Ficam com o BÔNUS E NÓS COM O ÔNUS! e ainda  dizemos: Amém!...



25 de novembro de 2015

Uma Lua Para Um Rio Doce

TO BE OR NOT TO BE?
Ilustração: Maria Tereza Penna


LUTO:


E A NATUREZA RESPONDEU:
OU FOI A NOITE?
-DESSA VEZ, NÂO HÁ PERDÃO! 
NÃO HÁ COMO SEPULTAR UM RIO!. 
E TUDO QUE FIZEREM SERÁ APOLOGIA POLÍTCA. 
SE PEDIR PERDÃO FICA COM CARA DE POLÍTICO DE OLHO CAÍDO, 
SE INSISTIR EM FICAR VAI PARECER UMA LÂMINA DE CORTAR METAL.
(Não se coloca nomes de políticos. Vai fazer campanha de graça - prefira metáforas, porque metonímias já eram).


13 de novembro de 2015

1 de outubro de 2015

HIPOCRITISMO

As pessoas se proíbem as verdades. Como ser honesto se excluímos palavras por serem impróprias ou perigosas?
Falamos dos ismos impregnados de ideologias censurando alguns.
Falam de Fascismos, mas não falamos do Sionismo.
Falamos do Terrorismo de forma parcial como se houvesse uma única forma de praticá-lo
Falamos do Comunismo, do Socialismo mas não tocamos no Capitalismo Selvagem.
ISSO É VANDALISMO!"
Temos tanto medo dos Ismos que só podemos dizer Amém!
Abaixo todos os ISMOS Hipócritas!" Os que só são propagados em causa própria! Os que endossam os fins e justificam os meios!
Ou se encara a verdade rasgando as cortinas ou vamos continuar com viseiras e com cabrestos!"
HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO - VALE AS CONTADAS ORALMENTE TAMBÈM - Talvez sejam as mais verdadeiras... Não sei mais!
EDUCAÇÃO EM NÓS!

Amor ao Leo



Estou fugindo do pensamento...
Estou indo para um lugar onde ele não me encontre
Pedindo asilo ao Coração.
Mas esse não bate mais ao Leo.
Não bate como nos primórdios da gestação.
Não bate como dentro mais.
Por onde eu vá, ele me percebe...
Ele , o Pensamento é o Grande Irmão que a tudo vê e tudo sabe.
Está a nossa espreita e ao nosso encalço em todos os lugares e impregnou nossa essência de princípios e valores.
Valores tão sem valores que fez da virtude algo volúvel e capaz de mudar nossos genes e de nos tornar mutantes.
Dizem que o sobrevivente é algo que pode se adaptar a qualquer situação ou circunstância.
O pensamento é o aliado da sobrevivência. fará o possível e o impossível para mantê-la. Para registrá-la e certificá-la.
Será capaz dos "maiores" Atos de justiça e praticará com Justiça os "piores" julgamentos para manter a sobrevivência, independente da integridade do Ser.
Cumprirá com honra a máxima: O Fim Justifica os Meios. Tudo pela continuidade da vida.
E o advento não é o OVO. É o Pensamento!
O grande conceito para a existência é:
Penso... Logo existo!
O Nascedouro do Ego, das ideias e doutrinas. O começo da condenação e da crença.
Creio no SER.
Aquele que é. Não naquele que foi ou será.
Se foi... Já não É. E se será porque já não É mais ou nunca foi. A diferença entre o Foi e o Será neste caso é a palavra mais, no Inverso seria menos...
O Ser é o referencial inicial. O Ser É.
O Ser está onde não importa as virtudes, somente o existir é vital.
É o abandono de Satisfação. Onde o Ego não está.
É o princípio e o fim. não há lugar para o meio. Talvez a meiose explique. O "Olho de Deus" contenha a força do inteiro. Antes do nascer de uma estrela, da Fecundação que só pode ser sabida e reconhecida no momento da Meiose. É onde as forças estão unidas em princípio, e separadas pelo fim. Fim de um outro começo. Outro que já não é o mesmo. A única certeza é que já foi e que não será outro inteiro. E o Ser anseia sua outra metade. Busca perene e eterna à procura do Perfeito, do Acabado e do Concluído. O Repleto da Abundancia e da Satisfação. Onde o pensamento não cabe e sim o Amor. O Ágape ou o Antes de...

A fala de Nulla na apresentação do Filme:
Sou de Ninguém! Não precisa ir mais longe...

MINHA FORTALEZA


VOLTA PRA MIM!!!
MESMO QUE ESTEJA EM OUTRA DIMENSÃO!!